EMÍLIO ROMERO

O IINQUILINO DO IMAGINÁRIO
(276 pág. Reimpressão 2010, São Paulo)

Este é um livro de questionamento. Pelos temas tratados parece um manual de Psicologia do anormal, mas é muito mais que isso. Nele se questionam alguns  temas que se passam por alto ou simplesmente não se mencionam neste tipo de manuais.

 Já no primeiro capítulo nos formulamos uma pergunta iniludível: O que é o psicopatológico? O estudo das perturbações mentais, respondem os manuais. Mas esta resposta escamoteia a complexidade do assunto. Existem pelo menos 4 concepções do psicopatológico que examinamos com atenção:
- a organicista, ou biomédica
- a psicoanálitica, especialmente na versão freudiana
- la comportamentalista, ou experimentalista
- a fenomenomelógica-comprensiva.
Por suposto damos especial ênfase nesta última. Desde um enfoque existencial o psicopatológico implica que  Dasein (a existência) tem entrado pelos caminhos do malogro pessoal: significa que está negando, mistificando e alienando-se de seu ser mais próprio. Não importa qual seja o rótulo diagnóstico que receba a pessoa, em todos eles constatamos a perda de suas possibilidades iss genuínas.

Temário

l. Os enfoques do psicopatológico  e a questão do modelo epistémico
- Critérios para uma caracterização dos 4 enfoques dominantes em psicopatologia
- Os postulados básicos de um enfoque compreensivo, fenomenológico e existencial

2. O enfoque fenomenológico-existencial em psicopatologia
- Fenomenologia e existencialismo: um conúbio bem acertado
- As características do método fenomenológico
- Fenomenologia da emoção

3. Pelas vias do desencontro pessoal –caráter, perturbações emocionais e disforia
- É ainda válido falar de quadros neuróticos? Usar um conceito diferente?
- Os 4 fatores associados à configuração disfórica
- Ansiedade e angústia
- A subjetividade e a singularidade nas classificações tipológicas
- Classificação dos  tipos de neuroses de acordo com 5 critérios

4. Os tipos de ansiedade propostos pelo DSM-IV (1994).
- Os inconvenientes de um enfoque puramente sintomático dos tipos.
- A necessidade de considerar a personalidade e a biografia da pessoa

5. Os transtornos da personalidade e a questão dos tipos psicológicos
- Os distúrbios da personalidade segundo o DSM-IV
- As falhas dos tipos propostos
- Proposta de uma classificação em termos de traços dominantes

6. O guardião de si mesmo, ou quando a virtude se transforma em vício
Sobre o caráter obsessivo-compulsivo
- O caráter obsessivo-compulsivo: suas virtudes e seus ponto fracos
- A gênese dos traços dominantes
- A história de Norma
- A pessoa anancástica no processo terapêutico

7. A procura de si no espelho do outro: o caráter histriônico e a questão da auto-identidade.
- Imagens da histeria.
- Os traços dominantes do caráter histérico
- A história do jovem Hermes
- Homossexualidade e histeria

8. Detrás de um vidro obscuro: as vivências dominantes na depressão
- A alegoria de Kafka e a depressão
- Classificação das depressões
- A depressão e sua expressão nas diferentes dimensões da existência

9. Sobre a loucura: a impossibilidade de conviver com os outros e de adaptar-se à realidade
- O enfoque clínico em psiquiatria e em psicologia: algumas diferenças
- A determinação dos sintomas característicos no enfoque clássico
- As concepções de Jaspers e Schneider
- Diagnóstico sintomático e avaliação da personalidade

10. O inquilino do imaginário
- A loucura e o imaginário
- Algumas formas de representação imaginária
- Representações imaginárias e crenças
- Testemunhos do imaginário psicótico: Maupassant e o presidente Schreber
- A história do jovem Omar